Natal Bridgerton: Mistletoe

 Seguindo a série de curiosidades sobre o Natal, vamos falar sobre a decoração dos apaixonados: o visgo, ou mistletoe.

O visgo é uma planta perene, que fica com sua folhagem sempre verde. Ela inclusive dá frutos no inverno e esse pode ser um dos motivos pelos quais muitos a consideravam sagrada. Diversas culturas, romanos, celtas, escandinávos, tinham no visgo um presságio de boa sorte, nas mais variadas formas.

Christmas decorations on the market. Christmas mistletoe plant bunch as Christmas symbol hanging on market in Europe. Omela”n”n

Os beijinhos já eram uma tradição na Grécia Antiga, para resolver conflitos entre Romanos e até em casamentos. Mas acredita-se que o costume de beijar alguém embaixo do visgo no Natal como uma brincadeira/simpatia é bem britânico e ficou famoso no século 18.

Não há um consenso tanto do ritual como do resultado – deve ser aquele tipo de simpatia que a gente faz no dia de Santo Antônio que cada tia, prima ou vizinha tem um jeito diferente de fazer. Alguns diziam que era necessário que o homem pegasse uma frutinha cada vez que beijasse alguém.

Ah, e quando as frutas acabassem, ninguém mais poderia dar beijinhos ali embaixo. E se a moça não beijasse ninguém embaixo do visgo, ela não se casaria no ano seguinte! Oh horror, oh o horror!

Outras simpatias diziam para queimar o arbusto no Dia de Reis, porém, guardar um raminho para afastar o mal. E não corte o visgo fora da temporada natalina ou então, azar!

E aí, quem será que aproveitaria para dar uns beijinhos embaixo do visgo?

Esse blog é parceiro da página Julia Quinn Brasil. Curta a página Julia Quinn Brasil no FacebookTwitter e Instagram para não perder nada!

Não se esqueça de curtir a página do Costurando o Verbo no Facebook e me siga no Twitter!

Natal Bridgerton: Decoração

Quem nunca começou a decorar a casa pro Natal depois do Halloween que atire a primeira pedra! Ok, ok, é realmente muito cedo, mas desde que me lembro, em casa a decoração surgia já nos primeiros dias de dezembro. Mas, você sabia que na Era Regencial, colocar as decorações com muita antecedência era considerado um mau agouro? Você até poderia deixar a casa “arrumada” para o Natal com velas e outros itens decorativos, mas as folhagens só podiam entrar na véspera – para sair só depois do Dia de Reis (Twelfth Night).

As plantas mais utilizadas são as perenes, como o visco (o famoso mistletoe), hera, holly, entre outros. O importante era espalhar os galhos por diversas superfícies como o mantel da lareira, corrimão e balaustre das escadas. Para dar um toque especial, era comum pendurar pequenas decorações nos ramos, bem parecido como fazemos atualmente.

E a Árvore de Natal? Muitos atribuem a popularidade do enfeite à Rainha Victoria, mas foi a Rainha Charlotte a primeira a montar uma árvore decorada na família real, em 1800. De ascêndencia germânica, Queen C trouxe a tradição consigo e a apresentou à corte em uma festa para famílias que viviam na região do Castelo de Windsor. A árvore de teixo estava no meio do cômodo, com frutas, brinquedos e até docinhos embrulhados em papel pendurados dos ramos, tudo sendo iluminado por pequenas velas. As crianças da região, depois de babar na árvore, podiam pegar alguns quitutes, um brinquedo e ir embora curtir a Noite Feliz.

Na série de livros The Wyndhams, de Grace Burrowes, a duquesa de Moreland monta árvores de Natal tanto na propriedade do campo como na casa da cidade e o Natal é comemorado com muitas decorações por toda a casa. Seria super legal ver uma festa de Natal em Bridgerton. né?

Esse blog é parceiro da página Julia Quinn Brasil. Curta a página Julia Quinn Brasil no FacebookTwitter e Instagram para não perder nada!

Não se esqueça de curtir a página do Costurando o Verbo no Facebook e me siga no Twitter!

Natal Bridgerton: o Jantar

Quem já está ansioso para a ceia de Natal? Colin Bridgerton, com certeza! Na nossa contagem regressiva para o #NatalBridgerton, vamos falar dessa peça central da festa de Natal: o jantar! ⁣

As comidas típicas dessa época do ano na Era Regencial eram um pouco diferente do que nós, brasileiros principalmente, estamos acostumados. Nas famílias mais ricas, que passavam o Natal em suas casas de campo, carne de caça assada (o famoso rosbife, que vem de roast beef) era uma das estrelas da mesa. Outras carnes de caça, como veado, perdiz, e até pombos podiam acompanhar, para que os convidados tivessem opções variadas para escolher. E o famoso peru? Ele até era consumido, mas ficou mais famoso mesmo nas décadas seguintes. ⁣

As famílias mais simples comiam gansos, que podiam ser criados no quintal ou ter sido um presente do lorde da região, e também algum tipo de carne assada. Uma curiosidade é que algumas casas não tinham um forno grande o suficiente ou nem tinham fornos, então os padeiros dos vilageiros assavam os pratos para as donas de casa enquanto elas estavam na igreja com a família. Na volta, elas passavam na padaria, pegavam a encomenda assada e iam fazer a ceia em casa. ⁣

Para nós, que o Natal cai no começo do verão (e o Brasil quis pegar todo o calor do mundo pra si), é impensável uma ceia sem pratos geladinhos, como saladas de folhas ou aquela bela maionese com maçã e uva passa. Mas, no Reino Unido, a temporada natalina é no inverno, então as comidas são mais pesadas, feitas com mais gordura e ingredientes calóricos. Sopas, vegetais cozidos e tortas especiais acompanhavam os pratos. ⁣

⁣Falando em torta, a Mince Pie era uma constante! Trata-se de uma tortinha de carne e frutas cristalizadas que devia ser comida uma vez por dia nos 12 dias de comemoração.

Eaí, já pensou em fazer algum prato regencial na ceia desse ano? ⁣

Esse blog é parceiro da página Julia Quinn Brasil. Curta a página Julia Quinn Brasil no FacebookTwitter e Instagram para não perder nada!

Não se esqueça de curtir a página do Costurando o Verbo no Facebook e me siga no Twitter!