Bridgerton confirma Polin como protagonistas da terceira temporada

Na madrugada desta segunda-feira, o fandom de Bridgerton foi alvoroçado com a notícia de que Penelope Featherington e Colin Bridgerton serão os protagonistas da terceira temporada! O terceiro filho Bridgerton e a terceira filha Featherington!

Ainda que anúncio não seja totalmente uma surpresa, o luto é perceptível em boa parte da comunidade já que, pelos livros, seria a história de Benedict e Sophie que deveria vir na sequência. Entretanto, nas entrevistas da segunda temporada, Shonda Rhimes já havia deixado claro que a série não iria necessariamente seguir a ordem dos livros.

Não bastasse isso, Simone Ashley deu alguns spoilers em entrevistas, falando que estava animada ao passar o bastão para Luke e Nicola. Luke Newton, de férias, lendo Os Segredos de Colin Bridgerton também deu a dica, já que o ator havia dito que leria o livro apenas antes da temporada em questão.

O final da própria segunda temporada já deixava muitas pistas para o enfoque em Polin, como a cena em que Colin diz que jamais cortejaria Penelope Featherington. Tal cena foi adiantada na série e levemente modificada – no livro, Colin diz “Eu não vou me casar tão cedo e muito menos com Penelope Featherington”. A própria sequência de Eloise descobrindo a identidade de Lady Whistledown nos fez imaginar como seria possível que Penelope conseguisse esconder o segredo por mais uma temporada, agindo como se nada tivesse acontecido. Seria estranho demais, né?

Outra grande dúvida é sobre a passagem de tempo. No livro, a história de Polin só acontece em 1824. Na série, estamos entrando em 1815. Fica difícil teorizar que as revelações do final da S2 não terão consequências imediatas, na temporada social seguinte. O clima entre Eloise e Penelope terminou pesado demais para isso ficar apenas adormecido por alguns anos. O salto temporal também envolveria mudar os atores de Gregory e Hyacinth – a única mudança foi de Francesca, por conta da agenda da atriz Ruby Stokes. Hannah Dodd será a nova Francesca, que pelos livros, deve debutar em 1815 (lembrando que ela só se casa com John em 1818).

Fato é que o caminho está aberto para muito drama, reviravoltas, amizades quebradas e corações partidos. Será que Eloise e Penelope ainda podem ser amigas? Será que as consequências para Lady Whistledown na série serão maiores do que nos livros? Como Colin ficará sabendo da situação? Teremos alguma menção à busca de Benedict por sua dama de prateado? A única certeza que temos é que Polin vem aí, teremos mais Kathony casados e muito drama na sociedade londrina.

Como a série se distanciou tanto dos livros, não temos mais como saber absolutamente nada, não somos nem capazes de teorizar. Quais são as suas apostas?

Segunda temporada de Bridgerton tem o maior slow-burn da história da TV

A segunda temporada de Bridgerton estreou no dia 25 de março na Netflix e se você chegou aqui quer dizer – possivelmente –  que já terminou também. Eu sei, senta aqui, vamos conversar. Chris Van Dusen tem uma ou duas coisas para explicar. O texto abaixo tem spoilers, então, siga por sua conta e risco. Vamos à resenha: 

Um começo promissor

A série começa muito bem, com aquele ritmo alucinante que marcou a primeira temporada, cheio de figurinos deslumbrantes e cenários incríveis. A dinâmica da família Bridgerton segue impecável, super fiel aos livros no quesito geral (sabemos que os personagens são um caso à parte) e a narração de Julie Andrews e suas aliterações rocambolescas continuam nos deliciando. E surgem as Sharmas! Impossível não se apaixonar! Convidadas de Lady Danbury para a temporada, Kate já chega causando e saindo para cavalgar escondida, onde tem o primeiro encontro com o Visconde Bridgerton, como já suspeitávamos. 

A química entre Jonathan Bailey e Simone Ashley, intérpretes do casal desta temporada, é algo a se louvar. Chris Van Dusen, produtor da série, já havia dito que a atuação da dupla era magnética e impossível de desviar o olhar. E é isso mesmo. Por mais que a temporada não seja uma unanimidade, é inegável que a química entre eles carrega muito do roteiro nas costas. Diálogos rápidos, uma marca tanto de Julia Quinn como da Shondaland, nos fazem voltar as cenas só para rir mais uma vez da sagacidade do texto. Ou para se emocionar.

E falando em JQ, nossa patrona mor, lembramos muito do que ela disse sobre a primeira temporada: “Não é o livro, nunca será o livro. Mas aproveite mesmo assim”. A segunda temporada de Bridgerton é como uma história de algum multiverso na qual conhecemos todos os personagens e seus trejeitos, mas suas ações nos são desconhecidas até então. Encarando a série assim, como um produto independente, é possível aproveitar o maior e mais longo slow-burn de todos os tempos e sair dessa montanha russa de emoções aliviado. 

Mas, não é o livro. Inclusive, na minha humilde opinião, a primeira temporada foi bem mais O Duque e Eu do que a segunda foi O Visconde que me Amava. E tudo bem. A equipe de produção se sente mais confortável agora para sair da caixinha dos livros e explorar esse vasto BridgertonVerse. A história da TV não é pior por isso, mas é necessário saber separar Livro de Série de TV. São duas histórias à parte. Sempre soubemos disso, mas dessa vez essa diferença ficou muito mais pronunciada, já que muitos esperavam que pelo menos a linha do tempo fosse seguida assim como na S1. 

Isso não quer dizer que eu não adorei a série como apenas isso, a série. Está linda, com o espírito dos Bridgertons e um slow-burn que nos deixa na ponta do sofá o tempo todo. No primeiro beijo eu estava chorando de alegria, porque a tensão estava insuportável. 

Voltas e voltas na montanha-russa da Shondaland

O que achei muito complicado foi exatamente após esse primeiro beijo. Ele aconteceu apenas no final do episódio 6 e se imaginávamos que as coisas começariam a se arrumar, nos iludimos. 

A história fica ainda mais rocambolesca, com Kate e Anthony tendo uma noite tórrida de sexo no jardim – que eu achei muito apressada, mas entendo que era pra demonstrar que eles chegaram no ápice do controle. E aí você pensa, agora eles vão se resolver. Nãooooo. Kate ainda sofre um acidente na manhã seguinte, Anthony a encontra e descobre o quanto ela é importante pra ele. A cena é linda e emocionante. Você acha que agora eles vão se acertar. Nãooooo. Kate fica em coma por uma semana. E ai quando ela acorda, Anthony a visita e você acha que agora eles vão se acertar. Nãoooo. Nesse ponto eu já estava achando que o casal não ia terminar a temporada junto. 

A cena que Kate conversa com Mary foi uma das mais bonitas e emocionantes. Mostra como ela estava disposta a abrir mão de tudo para ver a família feliz, já que não queria ‘roubar’ o pretendente da irmã e as escolhas que fez sobre os Sheffields, família da Mary, foi apenas para ajudar a irmã e a madrastra. Muito se falou sobre a parte que Mary diz perdoar Kate, e o perdão vem do fato dela ter escondido o motivo para irem à Londres e não somente pelo Visconde.

O desenvolvimento de Mary, ao meu ver, está de acordo com o livro. Uma mulher tomada pelo luto (paralelo com os flashbacks de Violet, por exemplo, mostrando como se perde a noção do espaço-tempo quando se está de luto) e que acaba deixando tudo na mão de uma jovem controladora e cheia de boa vontade. Kate acha que seu tempo já passou e tenta suprir seus sonhos através da irmã. Amei o momento em que Edwina diz exatamente isso para ela. Me identifiquei, rs.

Não quero nem falar sobre os flashbacks no episódio 3. Eu ainda NÃO SUPEREI. Chorei e não foi pouco, mas se achei que o que mais ia doer era morte, me enganei. A parte do luto da Violet foi o que me destruiu. Gregory conversando com Anthony também foi o meu fim.

Um final alucinante

E aí temos o último baile, das Featheringtons. E, finalmente, FINALMENTE nosso casalzão se concretiza. Faltando 8 minutos para acabar a temporada e no meio da galera toda, eles se declaram – e que declaração – e se beijam no meio da queima de fogos. Nos é dado apenas um breve vislumbre da vida de casados, quase como uma cena extra num filme da Marvel, após a cena caótica entre Eloise e Penelope. A série finaliza com um beijo cinematográfico entre o Visconde e a Viscondessa, já casados e em Aubrey Hall para o tradicional jogo de pall mall. Só nos resta esperar que a terceira temporada traga muito mais deles, para podermos ver a construção da família e o amor dando seus frutos. 

Foi lindo? DEMAIS! Foi uma montanha russa de emoções? COM CERTEZA! Mas ninguém pode nos culpar por querer ver mais do final feliz entre eles, já que eles são a coisa mais fofa juntos. Se no Enemy estavam magnéticos, no Lovers estavam hipnotizantes!  

Lady Whistledown contra-ataca

E quais os caminhos abertos para a S3? A temporada terminou com uma cena chave em torno de Polin e Peneloise. Confesso que foi ali que a frase ‘Vocês não estão preparados’ que tanto se falou nas entrevistas anteriores à estreia fez sentido. EU NÃO ESTAVA PREPARADA! Foi um turbilhão de emoções, como se já não tivéssemos passado por tudo, ainda chega Eloise e revira nosso coração tal qual revirou o quarto de Pen.

Todo o destaque que Lady Whistledown ganhou, além de Shonda Rhimes afirmando que “a série não vai, necessariamente, seguir a ordem dos livros” nos deixa com a pulga atrás da orelha se a S3 será mesmo sobre Benophie ou sobre Polin.  A cena final de Penelope me deixou desconfiada. Porém, já está claro que a trama de Lady Whistledown é uma linha contínua através das temporadas, então pode ser que vão desenvolver ainda mais na S3 para chegar na S4 tinindo.

A história de Benedict também se tornou mais complexa, com ele entrando na Academia de Artes, tomando ópio, curtindo as festas de humanas, explorando sua arte e seu prazer. Mas vemos ele se fechar completamente, como uma concha, ao final da temporada. Será que nossa Sophie chegará para abrir esse molusco míope?

Livro x Série

Se a gente tinha dúvidas que a série iria tentar se desvencilhar dos livros, agora temos certeza. E não há problema nisso. Bridgerton é uma franquia forte, com personagens incríveis e uma produção colossal. Falhar não é uma opção e Shondaland sabe como cativar a audiência.

Sempre dissemos que os produtos são diferentes, pois são meios diferentes.

Mas, a frustração de muitos leitores vem do fato da primeira temporada ter sido muito fiel à cronologia de O Duque e Eu, e é natural que a produção sinta confiança para voar além. Agora que estamos avisados, que superamos o choque inicial das mudanças, é possível aproveitar a série de TV como o produto midiático que é em toda sua glória e emoção. E emoção é o que não falta!

E o livro? Ah, ele sempre estará lá, querida leitora. Nada estraga a história escrita por Julia Quinn, nós só ganhamos mais uma versão do multiverso Bridgerton!

Bridgerton libera teaser durante evento de fãs no Valentine’s Day!

Estamos em choque após o evento para fãs de Bridgerton realizado pela Netflix nesta segunda-feira, 14 de fevereiro, Valentine’s Day no exterior. Com a participação de Julia Quinn, Simone Ashley, Charitra Chandran, Nicola Coughlan e uma aparição de Golda Rosheuvel, o evento durou 1 hora e trouxe cenas exclusivas da segunda temporada, bem como o teaser no final.

Veja o vídeo e, abaixo, alguns pontos interessantes do encontro:

O evento começou com Julia Quinn falando sobre suas expectativas para a segunda temporada, e como foi a recepção da estreia da primeira. “Eu sabia que seria um sucesso, mas não imaginava que seria deste tamanho. Isso fez minha cabeça explodir!”

Julia também garantiu que o Pall Mall foi uma exigência dela, que se não houvesse aquela cena eles poderiam esquecer a consultoria dela. ISSO AÍ! E falando em Pall Mall, Simone Ashley comentou que essa sequência foi uma das mais divertidas de gravar, pois tomou muito tempo. Foram cerca de seis semanas em locações para gravar diversas partes dessa cena, que é uma das favoritas dela.

Ela e Charitra Chandran, que interpretam Kate e Edwina Sharma (Sheffield nos livros), contaram que Jonathan Bailey foi o cara mais incrível com ambas, mostrando o quão perfeito ele é para ser nosso Anthony. “Antes da minha leitura de química com Jonny, ele me mandou uma mensagem no Instagram dizendo para eu não me preocupar, que ele estava animado por mim, que tudo iria dar certo, pra eu ir tranquila que seria muito legal. E foi, ele é um amor, e isso só mostra sobre o caráter dele, mandar uma mensagem pra uma atriz assim, foi muito fofo!”, contou Charitra.

De fato, entrar em uma série com tantos atores já familiarizados pode ser um desafio. Mas, elas contaram que todos as receberam de braços abertos e que o clima de família é permeado por todo o elenco e equipe. “Existia um clima de intimidade, de família, que nos ajudou muito a se sentir em casa”, conta Simone.

E falando nela, a patroa da S2, Simone contou que uma das coisas que ela mais gosta em Kate é essa proteção que ela dá aqueles que ela ama, como Edwina. “Ela coloca a necessidade dos outros acima das suas, mas gosta de quebrar algumas regras, ela não leva desaforo pra casa e isso já a colocou em alguns apuros”. Imagina, Srta Sharma!! O Visconde merece!

Uma das cenas apresentadas foi entre as duas, que mostra a família Sharma entrando no baile de Lady Danbury, o primeiro baile da temporada. Kate está reconfortando Edwina, para que ela se lembre de respirar e fique calma. A cena mostra também Lady Danbury atacando de casamenteira novamente, mostrando os cavalheiros elegíveis para Mary Sharma. Kate, preocupada com os interesses da irmã, entra na conversa perguntando sobre outro cavalheiro, que parece muito bem quisto pelo Debretts (livro que registrava tudo sobre uma família aristocrática). Porém, Lady Danbury dá um corte bem danburesco nela, dizendo que o cara vive exibindo a amante pela cidade, que Kate pode confiar em Lady D para ajudar a navegar o mar da sociedade. Essa cena foi gravada no Syon Park, e a música de fundo é nada menos do que uma versão clássica de Material Girl, da Madonna.

Nicola Coughlan entrou em seguida para falar da nossa fofoqueira favorita! Lady Whistledown vai mostrar mais as garras nesta temporada e nós vamos poder ver toda a parte de confecção do Whistledown, como Penelope está criando tudo isso, como ela consegue as fofocas, todo o submundo da fofoca de Londres. “Ela esta confiante, ela tem mais coragem que todos, e ela consegue puxar as cordas e fazer as coisas acontecerem. Mas, as coisas ficam mais difíceis com Eloise na cola dela”, comenta Nicola, lembrando que nesta temporada social, Eloise faz o seu debut, ficando mais colada na amiga nos bailes e impedindo nossa fofoqueira de fazer sua apuração. “Eu, Nicola, amei ter tantas cenas com Claudia Jessie, mas acho que Penelope não gostou tanto”, afirmou entre risos. A cena apresentada um pouco antes dela entrar na sala foi de Peneloise, ambas no jardim de alguma festa (Lady Danbury?) em que Eloise está lamentando não ser igual à Daphne e o peso que a expectativa de todos traz para ela. Penelope fica surpresa, pois não imaginava que houvesse esse lado. Elas ainda brincam que deve ser por isso que Cressida é tão má, no que Penelope prontamente responde: “Não, é porque ela usa o cabelo apertado demais”.

Durante a participação de Nicola, tivemos uma grata surpresa! Golda Rosheuvel, a Rainha Charlotte, apareceu no evento e nós tivemos a oportunidade de ver novamente a cena apresentada no Graham Norton Show, na semana passada. Na cena, a Rainha está comentando que a cidade está parada e que Lady Whistledown sumiu. Golda também comentou que nesta temporada veremos mais sobre a relação entre Charlotte e o Rei George III, que já estava afastado por causa de sua doença. “Eles se amavam muito, no mundo real tiveram 15 filhos, então é importante ver esse lado vulnerável da Rainha, quem ela é fora dos bailes e do mundo glamuroso. Eu acho que isso é o que mais me faz gostar da personagem, pois a torna muito mais tridimensional. Ela não é apenas a figura pública, e olhar para a vida privada dela é uma grande oportunidade de enriquecer o personagem”, completa Golda.

E se a competição entre Lady Whistledown e Rainha Charlotte ficará mais acirrada essa temporada? Com certeza! “Existe algo que a incomoda com a perspectiva de Lady Whistledown a tirar do topo. A Rainha era até então a mulher mais poderosa, e ter outra pessoa que também pode exercer esse poder a assusta.”

Na hora das perguntas, duas fãs brasileiras conseguiram tirar um spoilerzinho de Charitra, nossa atiçadora de fandom! Ela falou que a sua cena favorita é uma do episódio 5 em que um personagem muito sério fica molhado. Anthony caindo no lago após (ou durante) o Pall Mall vem aí? Queremos!

Após o evento, Chris Van Dusen, produtor executivo da série (que deixará o posto após a S2), compartilhou o poster da nova temporada que tem tudo aquilo que a gente mais ama: Kathony, taco da morte e a abelha! Ah, e Aubrey Hall, claro! A locação (uma delas, pelo menos) para a casa ancestral Bridgerton será Wrotham Park.

Ainda estamos destrinchando tudo sobre o teaser, todas as cenas incríveis e ultra rápidas, mas já estamos aqui com o lencinho apenas com dois vislumbres de Edmund Bridgerton. Acompanhe tudo na página Julia Quinn Brasil, que vamos ter mais posts sobre o teaser!

Baixe o Calendário Bridgerton 2022

2022 chegou e a cada dia ficamos mais perto da estreia de Bridgerton! Para começar o ano com o pé direito, lançamos a terceira edição do Calendário Bridgerton. Este ano as fotos foram mais difíceis, já que contamos apenas com algumas poucas imagens que a Netflix liberou e os cliques difusos de paparazzis. Saudades turistas em Bath ❤ Quem sabe atualizamos o documento quando novas imagens oficiais saírem.

Para baixar, é só escolher o modelo e clicar no link. Há duas opções: uma para imprimir em casa e outra para imprimir em gráfica, com as marcas de corte. Aproveitem e feliz 2022!

Calendário para imprimir em casa

Calendário para imprimir na gráfica

Vale lembrar que o Calendário Bridgerton é feito por fãs e para fãs e sua venda é expressamente proibida.

Esse blog é parceiro da página Julia Quinn Brasil. Curta a página no FacebookTwitter e Instagram para não perder nada!

Não se esqueça de curtir a página do Costurando o Verbo no Facebook e me siga no Twitter!

Chris Van Dusen e a criação de Bridgerton

A temporada pré-Emmy está entre nós e é bem comum que diversas reportagens sobre as séries concorrentes saiam neste período para relembrar os membros da Academia de Artes & Ciências Televisivas do quão maravilhosa é o produto que está concorrendo. Com Bridgerton não está sendo diferente e, apesar de muitas entrevistas trazerem mais do mesmo (é claro, para nós que respiramos Bridgerton por 365 dias do ano), alguns materiais trazem muita surpresa. É o caso deste texto, uma tradução da coluna que Chris Van Dusen escreveu como convidado no The Hollywood Reporter, no qual Chris fala sobre seu processo de criação de Bridgerton e de todo o fantástico mundo inclusivo criado por ele e a equipe de Shondaland.

Uma coisa que me chamou atenção foi o fato dele ter tido a ideia de colocar a Rainha Charlotte na série após uma visita à Wilton House, locação principal da Buckingham House, residência de nossa Lottinha. Eu amei a descrição dela: Parte Realeza, Parte Beyoncé. Essa ideia permeou toda a criação da série e se reflete nesse produto inclusivo, que muitos podem torcer o nariz com a famigerada fidelidade histórica, mas que se tornou a maior série da Netflix por mostrar que todos, TODOS, podem ter sua fantasia de época, podem se sentir a própria heroína (ou herói) Austeniana.

Quem acompanha este blog sabe que dediquei os últimos dois anos à essa série e lembro de ter visto muitos figurantes dos mais diversos tons de pele nos stories (Saudades gravações da s1) com roupas finas e ocupando lugares de destaque na sociedade. Uma reportagem da época que me marcou muito até relatou o comentário de um figurante preto, que estava achando a experiência de ser um lorde muito diferente do que geralmente ele interpretava em produções de época, ou seja, serviçais.

Bridgerton chegou e colocou o gênero de série de épocas de cabeça pra baixo, ou quem sabe, começou a endireitar as coisas. Fato é que a indústria precisava muito disso, desse chacoalhão. E os números (de exibições, de indicações, engajamento do fandom) só reforçam isso. Que venham os Emmys que nós tanto pedimos!

BRIDGERTON (L to R) Executive Producer CHRIS VAN DUSSEN and Director ALRICK RILEY in episode 107 of BRIDGERTON Cr. LIAM DANIEL/NETFLIX © 2020

Leia a tradução da coluna especial de Chris Van Dusen no The Hollywood Reporter

*Destaques negritos são meus

“No início deste ano, a Netflix anunciou que Bridgerton, um programa que criei e dirigi, foi a maior estreia da gigante de streaming de todos os tempos. Fiquei pasmo. Como poderia esta peça do período regencial, que consumiu a maior parte dos últimos três anos da minha vida, estar capturando o zeitgeist (espírito da época) de uma forma tão grande? Estou convencido de que isso se deve em grande parte ao mundo intencionalmente inclusivo do programa – onde cada espectador, não importa quem seja, pode se ver na tela. Um mundo que não é color-blind, como alguns sugeriram, mas que tem consciência das cores.

Minha proposta para Bridgerton foi direta: eu queria virar o gênero de época de cabeça para baixo e reimaginá-lo de uma maneira nova e empolgante. Um que incluía personagens de diferentes cores e origens. Um que explorou o tema raça. Queria que existissem gays neste mundo. Eu queria expandir todo este universo. Portanto, criei um mundo do período regencial multiétnico e multicolorido, tão diverso quanto aquele em que vivemos hoje. Meu show seria sobre amor. Alegria. Triunfo. Seria um show que diria que todos são dignos e merecedores de todas essas coisas e muito mais.

Parecia realmente adorável, é claro. Mas como eu realmente faria isso levaria algum tempo.

As séries ou filmes de época que eu tinha visto pareciam iguais. Claro, você localizaria uma pessoa não-branca ocasionalmente – mas geralmente no fundo, servindo comida ou ajudando alguma jovem de pele de porcelana a se vestir. Certamente não como personagens principais. Certamente não tendo seu próprio final feliz. O material de origem de Bridgerton, embora uma leitura rica e deliciosa, era como sempre sobre pessoas de pele clara e olhos azuis penetrantes. Raça, como descrição e assunto, nunca foi mencionada.

Em 2018, visitei a Wilton House em Wiltshire, na Inglaterra. De pé, sozinho na opulenta sala do Cubo Duplo, fiquei impressionado com sua imponência. Foi nesse momento que eu soube que tinha que ter um componente de realeza neste show. E então criei o personagem da Rainha Charlotte. Parte realeza, parte Beyoncé, uma criação original, não está nos livros. Eu estava ciente das teorias históricas da real ancestralidade africana da rainha Charlotte. Ela era, argumentam alguns historiadores, descendente de um ramo negro da família real portuguesa, a primeira rainha não-branca da Inglaterra. Foi revolucionário – não apenas como uma teoria real e histórica, mas também como base para o show. Foi assim que me decidi a começar toda a série. Nesse quarto. Com nossa heroína Daphne sendo apresentada à rainha, a pessoa mais poderosa deste mundo, uma mulher negra.

A construção para este mundo nasceu. Isso significava que a cor da sua pele não determinaria se você era nascido nobre ou inferior. Isso significava que lordes e damas, viúvas e duques, de todas as cores e origens diferentes, poderiam existir neste mundo. Este não seria um mundo colour-blind. Esses personagens não-brancos que o público veria e se relacionaria na tela eram reais.

Meu objetivo de reinventar o drama de época através de lentes com consciência das cores estava tomando forma. Mas então vários membros do meu elenco brilhante sugeriram que eu fizesse mais. Foi então que aconteceu uma das colaborações mais inesperadas e gratificantes da minha carreira.

O que se seguiu foi um dos dias mais pungentes e transformadores que tive durante a produção desta série. Junto com cada ator não-brancos do show em uma sala, eu pude ouvir tudo o que todos tinham a dizer durante uma longa tarde de chá e outras coisas boas inglesas. Meu trabalho era simplesmente sentar, ouvir e aprender. Foi emocional, poderoso e completamente necessário.

Muitos dos presentes sentiram que o show poderia ir mais longe em termos de exploração da raça. O show, eles concordaram, já era tão belamente eloqüente quando se olhava para coisas como classe, gênero e sexualidade. Mas não poderia haver também um reconhecimento de cor na tela?

A pergunta me deixou humilde. Eles estavam certos. Poderíamos fazer ainda mais para virar o gênero de cabeça para baixo e cavar ainda mais fundo nas histórias dos personagens que o programa pretendia incluir. Então, as coisas que meu elenco falou comigo naquele dia encontraram seu caminho para os roteiros. Nas histórias de fundo dos personagens. Para o próprio mundo. Como diz Lady Danbury: “Éramos duas sociedades separadas, divididas por cor, até que um rei se apaixonou por um de nós”.

BRIDGERTON Director JULIE ANNE ROBINSON and Executive Producer CHRIS VAN DUSSEN in episode 10Pre of BRIDGERTON Cr. LIAM DANIEL/NETFLIX © 2020

Os envolvidos com a TV sabem como é um processo surreal. Centenas de algumas das pessoas mais trabalhadoras que você já conheceu são reunidas e, de alguma forma, uma obra de arte viva, viva e comovente, nasce magicamente. Para a pessoa que supervisiona tudo, é assustador. Mas também profundamente gratificante. Especialmente quando seus atores se sentem confortáveis ​​o suficiente para vir até você com o que realmente estão em suas mentes.

O espetáculo não seria o que é hoje se aquela tarde profundamente colaborativa com meu elenco não tivesse acontecido. Posso dizer com veemência que Bridgerton – com todas as suas cores, beleza, amor, alegria e triunfo – ficou ainda melhor por causa disso. E agora, posso levar essa experiência colaborativa preciosa comigo para a segunda temporada, e o que vem a seguir para mim também.”

Leia a coluna original aqui.


Chris, se por acaso você estiver lendo este humilde blog, obrigada por não ter medo, obrigada por colocar seu coração nisso, se doar tanto para criar esse mundo incrível, obrigada por transformar o que achávamos que deveria ser uma série de época. Obrigada por pegar os livros que amamos tanto e elevá-los a outro patamar.

Esse blog é parceiro da página Julia Quinn Brasil. Curta a página no FacebookTwitter e Instagram para não perder nada!

Não se esqueça de curtir a página do Costurando o Verbo no Facebook e me siga no Twitter!