Como se fosse a primeira vez…

Marcaram de se encontrar às 20h30. Ele passaria na casa dela na hora marcada. Naquele dia, mal se falaram, mas o encontro era certo.

Ela se vestiu logo cedo com seu melhor humor. Saiu para trabalhar, cronometrando cada tempo livre para poder otimizar seu tempo ao se arrumar a noite. Coisas de mulher.

Saiu do trabalho e foi até cortar o cabelo, coisa que não fazia há alguns meses. Chegou em casa correndo, cada vez mais ansiosa pela noite que estava por vir.

Tomou banho, depilou-se,perfumou-se. Vestiu uma roupa que o deixaria de babando.

Arrumou-se e ficou linda. Tinha que impressionar naquela noite. Mais uma conferida no espelho, uma opinião das mulheres da família, uma blusa emprestada, pronto! Estava deslumbrante. Só faltava o sapato, mas o colocaria na hora de sair.

Foi ajudar sua avó quase centenária a arrumar o contraste da tv. Do alto de seus 90 anos, a avó sempre reclamava que a tv de ultima geração (ou penultima, vai saber) era muito escura, desfocada e que a neta sabia exatamente como deixar a imagem mais bonita.

Enquanto arrumava os comandos da tv, ela apertou sem querer o botão que muda de canal e seu coração pulou uma batida. Ele estava na portaria. Lindo. Elegante. Acidentalmente, ela havia sintonizado no circuito interno de câmeras do prédio.

O interfone tocou.

 

Ele acordou meio mal humorado, porque nem tinha dormido muito. Apesar disso, estava com disposição para encarar o dia que estava por vir.

Saiu, foi resolver uns problemas. Voltou e foi lavar o carro. Era uma noite importante, todos os aspectos mereciam esmero.

Nunca dera muita importância para o carro, mas lavou o bendito quatro vezes, tamanha a sujeira e a obstinação por deixá-lo limpo, pois queria causar uma boa impressão. Depois, foi cuidar da aparência.

Cortou os cabelos, fez a barba e se demorou no banho. Como de costume. Inclusive, tomou um banho gelado para se animar e mandar o sono embora. Estava renovado.

Escolheu a roupa com cuidado, imaginando o que a agradaria, pois queria deixa-la sem ar. Vestiu seu melhor terno. Arrumou o cabelo do jeito que gostava, colocou o perfume preferido e arrumou a gravata meticulosamente. Roxa, a cor favorita dos dois.

Pegou o carro, muito mais limpo do que nos últimos meses, e foi para a casa dela. Correu um pouco, pois percebeu que estava atrasado. Atravessou a cidade e por sorte conseguiu uma vaga perto ao prédio dela. Encaminhou-se e falou com o porteiro.

Tocou o interfone.

 

Quando se encontraram, ambos ficaram embasbacados, tamanha a beleza descoberta um no outro e o capricho dedicado àquele momento. Estavam extasiados por se encontrarem. Foram jantar e depois se divertir. Surpreenderam-se quando o pano caiu.
Apaixonaram-se. De novo.

Era o aniversário de um ano de namoro.

E melhor do que descobrir que está amando é descobrir que está apaixonado, perdida e enlouquecidamente, pela mesma pessoa.

É a empolgação do primeiro encontro, mesmo que seja o milésimo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s